“Objetos Cortantes” – Gillian Flynn

B013DCB7-436F-49D4-84EE-8107E2389AF0

Uma história perturbadora. Essa foi a melhor definição que achei para #ObjetosCortantes de #GillianFlynn. Desnecessário dizer que Gillian já me causou essa sensação em #GarotaExemplar, mas Objetos Cortantes é seu primeiro livro, sua estréia no mundo literário. Agora, se o primeiro é assim…tenho medo do vigésimo.

Brincadeiras à parte, o livro é excelente, tanto que virou minissérie da HBO, estrelado por Amy Adams no papel principal e como livro já ganhou varios prêmios de peso internacional no meio literário.

Mas precisa ter estômago. Cruel, duro, pungente, ele narra a trajetória de Camille Preaker ao retornar à Wind Gap, sua cidade natal, no Missouri, 8 anos depois de partir pra Chicago. Como jornalista é intimada a ir até lá para cobrir o caso de duas meninas, 1 assassinada e outra desaparecida.

Camille porém, odeia tudo e todos que tem a ver com seu passado e marca sua dor no corpo com automutilação. E os segredos que sua família esconde, além dos casos policiais, vão marcá-la ainda mais.

A trama da autora nos leva ao extremo das dores que carregamos e o que existe de pior e sombrio nos humanos e nas “famílias disfuncionais “. E disfuncional é eufemismo viu? O único lado consolador dessa história toda é que depois de conhecer a família Preaker, você vai achar sua família bem normal.

O livro é objetivo e assustador, por isso  recomendo fortemente ser lido num fôlego só. Melhor para a saúde.

8801045B-5687-4AAE-973B-4771810FD110.jpeg
Gillian alçou o sucesso com Garota Exemplar que já vendeu mais de 6 milhões de cópias no mundo todo e virou filme com Ben Affleck. Hoje ela mora em Chicago com seu filho e marido.

4E0C4A48-62F3-425A-BFF9-710EE36AD62E
Gillian Flynn

#sinopse

Objetos cortantes narra o retorno da repórter Camille Preaker, recém-saída de um hospital psiquiátrico, à sua cidade natal para investigar o brutal assassinato de uma menina e o desaparecimento de outra. Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã que praticamente não conhece. Hospedada na casa da família, a jornalista precisa lidar com as memórias difíceis de sua infância e adolescência. E à medida que as investigações para elaborar sua matéria avançam, Camille passa a desvendar segredos perturbadores, tão macabros quanto os problemas que ela própria enfrenta.

Resenha de Sylvia Tavares

Deixe uma resposta