“A guerra que me ensinou a viver” – Kimberly Brubaker Bradley

1A88C6A8-F0F2-4F06-8D49-386E87E89712

A Guerra Que Me Ensinou a Viver 

por Marcela @coruja_literaria

 

Acho complicado falar sobre continuações, uma vez que é impossível falar delas sem spoilers…

Este livro é a continuação de “A Guerra que Salvou a minha Vida”.

Resenha: Ada é uma garotinha que não teve a infância nada fácil. Nascida com uma deficiência chamada por eles de “pé torto”, Ada sempre foi rejeitada pela mãe. Passou toda sua vida trancafiada dentro de casa sem nunca poder conhecer o mundo lá fora.

D8D0B515-ED07-466A-9631-28EE9EB392D3.jpeg

Em meio ao caos da II Guerra Mundial, Ada e seu irmão Jamie serão refugiados junto a outras crianças para um local mais seguro e é aí que as coisas começam a mudar para a menina. 

9747E03F-BE92-4DC2-8C50-F0A8A1326558.jpeg

 Neste livro, já conhecemos todos os personagens, sabemos suas personalidades e as particularidades de cada um. A história acontece uma semana após os acontecimentos do primeiro livro, dando ao leitor a sensação bacana de continuidade. 

Sinopse

A Guerra Que Salvou a Minha Vida ganhou um lugar especial no coração dos leitores brasileiros. A história da pequena Ada — que, com seu irmão caçula, deixou para trás sua casa em Londres para escapar dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial — arrancou lágrimas, sorrisos e suspiros na mesma medida. Com o coração repleto de esperança e afeto, a DarkSide® Books orgulhosamente apresenta A Guerra Que Me Ensinou a Viver, a emocionante continuação do livro de Kimberly Brubaker Bradley.

Após uma infância de maus-tratos, Ada finalmente recebe o cuidado que merece ao ter seu pé operado. Enquanto tenta se ajustar à sua nova realidade e superar os traumas do passado, ela se muda com Jamie, lady Thorton e Susan — agora sua guardiã legal — para um chalé em busca de um recomeço. Com a guerra se intensificando lá fora, as adversidades batem à porta: o racionamento de alimentos é uma preocupante realidade, e os sacrifícios que todos devem fazer em nome do confronto partem corações e deixam cicatrizes. Outra questão é a chegada de Ruth, uma garota judia e alemã, que gera uma comoção no chalé. Seria ela uma espiã disfarçada? Ou uma aliada em meio à calamidade? Mais uma vez, Kimberly Brubaker Bradley conquista com sua narrativa carregada de sensibilidade. Seu registro historicamente preciso revela o conflito armado pela perspectiva de uma criança, além de lançar luz sobre a atual crise de refugiados, a maior desde a guerra de Hitler, que já obrigou milhões de pessoas a deixarem seus lares em busca de paz. Discutindo assuntos delicados com ternura, a autora guia o leitor por uma jornada que mostra a beleza dos pequenos gestos. E, ao revelar as camadas de seus personagens, apresenta uma história sobre amadurecimento e aceitação — principalmente para Ada, que precisa aprender a acreditar. Acreditar em sua família e em si mesma. Na resiliência que vem da dor. Na superação que vem do medo. Na empatia, que reacende a humanidade. E no amor, é claro. Em sua forma mais pura e sincera. A Guerra Que Salvou a Minha Vida foi vencedor de diversos prêmios e adotado em escolas nos Estados Unidos. Agora, A Guerra Que Me Ensinou a Viver chega em uma edição capa dura e cheia de amor, como deve ser. A linha DarkLove ganhou mais um título que deixa marcado na memória que algumas heroínas salvam leitores pelo coração. Corajosa, justa e inteligente, Ada é realmente invencível.

Deixe uma resposta