“O vilarejo” -Raphael Montes

C4B463F6-6872-4A85-B557-08E17CD7E962

O Vilarejo | Raphael Montes 

RESENHA de Marcela @coruja_literaria

 Um vilarejo perdido e apagado do mapa. A esperança de um povo dizimada pela fome e pelo frio. O que aconteceu com os habitantes do vilarejo deserto? 

De forma brilhante, Raphael Montes nos apresenta sete contos cuja histórias se ligam em um final surpreendente!  Cada conto narra a história de um morador do vilarejo, tendo como base os sete pecados capitais.  

Quando a comida é pouco, o frio é congelante e o instinto de sobrevivência se aflora, é possível manter o caráter? Não se entregar aos famosos pecados que corroem e transformam o ser humano? 

Todos os contos se ligam e as histórias tem o objetivo de responder essas perguntas. Varias criticas sociais podem ser percebidas e existe uma “moral da história” bem nítida, impossível não refletir sobre o assunto.

É preciso dizer que a edição desse livro está IMPECÁVEL. Impossível não comentar da beleza desse material. A diagramação é super confortável e as ilustrações (Marcelo Damm) dão vida e terror a cada detalhe da história, proporcionando ao leitor entrar de cabeça, visualizando as cenas e soltando a imaginação. 

Como sempre, o autor nos mostra o seu show de criatividade. Ele arrasa em todos os seus livros e indico não só esse, mas TUDO que o Raphael escrever. Tenho certeza que cada livro é único e diferente de tudo já que você já viu! 

Sinopse

Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão

Deixe uma resposta