Como será que foi a Bienal do livro?

Por Lívia Lima

18FDBDEB-B78E-4BB6-87F7-3C2F0507D21B

Mais uma edição da Bienal Internacional do Livro está chegando ao fim. Domingo, 12 de agosto, é o último dia da feira mais esperada pelos amantes da literatura. Nós do “Mamãe tá lendo”, estivemos por três dias no evento e garantimos imagens, entrevistas e autógrafos de alguns dos autores que passaram pelo evento.

A Bienal 2018, estava sendo muito aguardada devido ao momento econômico que o Brasil está passando. Como anunciado anteriormente, o número de expositores este ano era menor que a edição passada. Estandes de grandes livrarias como Saraiva e Leitura, não marcaram presença nessa edição.

Muitas editoras que garantiam estandes enormes, que mantinham constantes filas para fotografar, este ano foram mais contidas e economizaram na decoração do espaço. Muitos leitores e profissionais da área relataram que os preços dos livros também não apresentavam grande diferença entre os sites das editoras e as livrarias físicas e online. Mas, mesmo assim, os corredores do pavilhão de eventos do Anhembi ficaram lotados os dias que estivemos por lá, e o que deve se repetir amanhã e domingo. Mesmo com preços não tão em conta, malas (acessório muito visto pelos corredores) e sacolas saem lotadas de novidades.

Como nossas colaboradoras tem estilos de leitura bem diferentes, estivemos com autores de vários segmentos como: Giovanna Vaccaro, autora de “Procura-se”; Felippe Barbosa, de “Quase completos”; Djamila Ribeiro, de “Quem tem medo do feminismo negro?; A.C.Meyer, autora da quadrilogia “After Dark”; Paola Aleksandra, “Volte para mim”; Laura Conrado e Marina Carvalho, “Literalmente amigas”; Victor Bonini, “O Casamento”; e Charlie Donlea, autor internacional de “Não confie em ninguém”.

O que não vai faltar é novidade para contar nas próximas publicações. Ah! Conseguimos edições autografadas para sortear para os leitores. Não deixe de acompanhar e participar. Até logo mais!!

Deixe uma resposta