“O que há de estranho em mim” – Gayle Forman

D19285AA-E87D-4FEF-BB25-2BBC2207B790

Já relatei a dificuldade de terminar uma leitura muito cansativa, repetitiva e massante. Já esta resenha de hoje, veio de uma leitura que conclui em dois dias, pois a narrativa era gostosa e a história me pegou de jeito.

“O que há de estranho em mim”, de Gayle Formam, é o segundo livro que leio da autora. O primeiro foi “Para onde ela foi”, continuação de “Se eu ficar”, que tinha visto a adaptação no cinema e não tinha lido o livro.

Quando comprei o livro da resenha de hoje, pensei que seria apenas mais uma leiturinha adolescente, fofa e boa pra me distrair, e que é sempre boa de ter na estante, para ler depois de uma leitura mais pesada, como foi meu caso. Mas me surpreendi mais uma vez com a escrita de Forman.

Assim que abri o livro dei de cara com a dedicatória da autora é já me apaixonei “Dedico este livro a todas as garotas incompreendidas”! Me senti na adolescência e começo da vida acadêmica quando li essa frase e sabia que era pra mim.

Um pouco sobre mim: Morei em uma cidade pequena no interior de minas e sempre fui fisicamente diferente da maioria das meninas da minha cidade. Sempre gostei de cabelo colorido, piercing, tatuagem, namorei garotos de banda, ia à shows de rock etc.

Quando fui conhecendo a Brit, personagem principal do livro, fui me identificando muito com ela. Claro que só pelo estilo e por ser incompreendida por ser assim diferente. Minha mãe ouviu muita coisa que não precisava só porque tenho tatuagens, piercing e sai da cidade para estudar e trabalhar na capital. Mas graças a Deus meus pais não são preconceituosos e sempre me apoiaram.

Voltando ao livro:

“Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil.

V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece”.

Pelo que vemos em algumas matérias, ou em alguns filmes, muitas escolas como a que Brit e as amigas vivem juntas, existiram ou existem tanto nos EUA, como em outros países, e a autora até relata no final do livro porque ela resolveu escrever esta história, depois de ter entrevistado algumas pessoas que viveram em lugares semelhantes.

Bom, apesar de uma história e enredo simples, foi um livro que me marcou muito e eu super indico!

Resenha by Lívia Lima @titialitalendo

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. mauroms disse:

    De Gayle Forman só li o livro (impresso) Eu Estive Aqui. Venho fazendo listas de livros/e-books lidos e seus respectivos autores, um dia desses atualizo a lista dos autores mais lidos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s